sábado, 11 de outubro de 2008

Pescador.


Hoje ao ver esta imagem, veio-me à memórias boas recordações.
Gosto de pescadores e da vida do mar. Acho bonito as crenças e tradições de quem pesca e de quem espera na areia. De todos estes quadros, sem dúvida que a espera dos barcos é a mais emocionante. Neles chega o sustento, mas principalmente encerra a angustia de quem espera.
O meu pai era pescador, não havia partidas de barco nem esperas no areal.
De cana na mão, e na maior parte do tempo em silêncio, ensinou-me entre outras coisas a ser paciente e a valorizar a espera...

2 comentários:

Ana disse...

Quando penso no teu pai a palavra que me vem à cabeça é serenidade! Vieram-me agora à memória as nossas viagens para o Porto,ao Domingo à noite,na companhia dele e fiquei com saudades desses tempos!

Beijo
Noquinhas

JS disse...

Essa é sem duvida a palavra certa. Serenidade, que tanta falta me faz agora.

Quanto aos nossos tempos no Porto, só te digo que foram THE BEST!!!!