quarta-feira, 30 de junho de 2010

Sem comentários...


Gosto de falar às meninas do meu passado. Conto-lhes como era a "vida" no meu tempo, não só para que tenham consciência de que se pode viver de forma diferente, mas principalmente para que viagem no tempo. E diga-se de passagem, eu sou boa a contar histórias...

Contei-lhes que em tempos tivemos uma confeitaria. Que era uma casa muito especial, que havia guloseimas por todo lado e cheiro de bolo quente todo santo dia. Contei-lhes que todos os dias daqueles fornos saíam bolos e bolos de aniversário, que do forno a lenha saía o melhor pão-de-ló do mundo e que nós o comíamos quente e cru até vomitar a bílis.

Contei-lhes que o armário que está lá em cima cheio de livros, era o armário dos chocolates e que não havia restrições para comer fosse o que fosse. Que obesidade, diabetes ou calorias eram palavras que nunca ouvíamos. Contei que o açúcar chegava em sacos maiores que elas e os ovos vinham numa carrinha, que a Avó Licinha se tornou uma alquimista do açúcar e não havia medalha que não ganhasse com os seus doces.

Enquanto contava a Francisca estava em êxtase, de olhos arregalados e boca aberta, a Leonor guinchava de felicidade a cada doce que eu enumerava...

E no fim de toda esta alucinação calórica que estávamos a ter as três à mesa da cozinha, a Francisca perguntou em jeito de conclusão:

- Naquele tempo devias fazer imenso cocó, não mamã?!?!



6 comentários:

Ana disse...

:):)
As crianças saem-se com cada uma!!!
Beijinhos

DIABINHOSFORA disse...

É por coisas destas que as crianças são impagáveis!!!! ahahahah

Beijos

maria teresa disse...

:):):):):)Bem metida!
Abracinho

Ana Miguel disse...

looooooooooooooooool

Ana C. disse...

Mas era um cocó bonito, em forma de queque :)

Tio do Algarve disse...

LOL...
Essa conclusão está demais...
E que bem me lembro desse local de culto, com visita obrigatória, na Rua Direita ;)

Não tenho ideia é dos "efeitos secundários"!

Beijinho grande do primo