quarta-feira, 28 de julho de 2010

Um segredo...

Imagem roubada aqui

Sempre que faço um caderno, penso no que será que vai ser escrito naquelas páginas. E quando não conheço a quem ele irá pertencer mais a minha mente vagueia...

Como será a letra? Será apenas para notas ou desenhos?... Declarações de amor, receitas, listas ou pistas... Não sei. Mas o facto de nunca saber alimenta-me a imaginação e leva-me a tentar criar novos cadernos... Para sentimentos, para pensamentos, para apontamentos.

Mas que os escrevam todos à mão. Com letra feia ou desenhada, mas com a vossa letra parte da vossa identidade.

O meu, está sujo e gasto, mas naquelas páginas estão as letras e desenhos das minhas filhas.
A minha identidade.

5 comentários:

disse...

Adoro comprar cadernos e adoro escrever à mão, por isso ando sempre com um moleskine na carteira ;-)

Naná disse...

Eu também ando sempre com o meu Moleskine, mas antes tive tantos outros de tantos formatos e feitios... adorava uns que comprava na Papelaria Fernandes, que pareciam aqueles livros de actas antigos...

maria teresa disse...

Até usar o computador, coleccinei cadernos com notas, memórias, bilhetinhos, ... o computador alterou um pouco o tipo de registo, tenho alguma pena!
Abracinho

Poetic GIRL disse...

Um caderninho desses como os que fazes são uma delicia, são mesmo para a gente poder escrever o que nos vai na alma. Hei-de mandar vir um para mim, por enquanto tenho um moleskine que vai a meio, mas quero um dos teus para mim! bjs

JS disse...

Bê, que bom... hoje em dia começa a ser raro. um moleskine é sempre um moleskine...

Beijos

Nána, são os cadernos de almaço, são esses que eu forro com tecidos!!
Beijos

Maria Teresa, concordo plenamente consigo! O computador roubou a beleza do manuscrito...

Bela, és uma querida e obrigada pelo elogio. Mas apesar de adorar o que faço um moleskine é um moleskine!

Beijos